Expansão da Consciência

O que é o Espaço-Tempo?

No filme, “Tão longe, tão perto” (Faraway, so Close) dirigido por WinWenders em 1993, o personagem principal, o anjo Cassiel, anseia em tornar-se humano para poder melhor compreender a humanidade. Num determinado momento, Cassiel escuta de um forasteiro uma definição poética sobre o tempo:

-Você pode me ouvir? – Sim. Deixe-me explicar algumas coisas. O tempo é curto. Essa é a primeira coisa. Para a doninha, o tempo é uma doninha. Para o herói, o tempo é heróico. Para a prostituta, o tempo é apenas mais um programa. Se você é gentil, seu tempo é gentil. Se você está com pressa, o tempo voa. O tempo é um servo, se você for seu mestre. O tempo é Deus, se você for seu cão. Nós somos os criadores do tempo, as vítimas do tempo e os assassinos do tempo. O tempo é atemporal. E agora, a segunda coisa: Você é o relógio!

Imersos em nossas atribulações do cotidiano, temos a impressão de que o tempo corre como um rio de forma linear sempre em direção ao futuro. Mas isso, segundo os mais recentes estudos da física quântica, pode não estar certo.

Einstein, através da Teoria da Relatividade, questionou radicalmente as noções de“espaço” e “tempo”, que ele via mais como efeito psicológico do que uma realidade da natureza. Antes de Albert Einstein formular sua teoria em 1905, o senso comum era de que o tempo e o espaço eram separados e imutáveis.Acreditava-se que, se dois observadores se movimentassem um em relação ao outro, eles deveriam sempre concordar sobre “onde” (em que local) e “quando” (a que horas) um evento aconteceria, partindo do principio, claro, de que ambos teriam em mãos medidas e relógios bem precisos. Mas a física moderna é curiosa justamente quando mostra como as coisas se comportam sob diferentes pontos de vista.

A teoria da relatividade constatou que o tempo pode correr em ritmos variados dependendo do observador, ou seja, o tempo pode passar mais rápido para mim e mais devagar para você. O tempo não é uma grandeza fixa e absoluta. Isso porque, segundo Einstein, o tempo não pode ser pensado como um conceito em si, separado do espaço. Deixo aqui as palavras de Stephen Hawking: “O tempo não é uma quantidade universal que existe por si mesma, independente do espaço. Ao contrário, o futuro e o passado nada mais são que direções – como para cima e para baixo, esquerda e direita, para frente e para trás – em algo chamado “espaço-tempo”… É por isso que o tempo pode passar em diferentes velocidades.” Peter Galison, professor da Universidade de Havard, é mais enfático: “Não existe um só tempo, no sentido de um tic-tac universal, existem tempos”.

black and white photo of clocks
Foto por Andrey Grushnikov em Pexels.com

No século V, Santo Agostinho já explicitava de forma singela o carácter subjetivo do tempo: “Afinal, o que é o tempo? Se ninguém me perguntar, então sei o que ele é. Se eu desejar explicar para quem me formulou a pergunta, então não sei oque ele é.” E o sábio filósofo continua: “Mesmo assim, digo com segurança que sei que se as coisas não morressem, não haveria tempo passado, e se as coisas não continuassem a nascer, não haveria tempo futuro; e se não houvesse nada, não haveria tempo presente.” Einstein conclui: “Pessoas como nós, que acreditam na Física, sabem que a diferença entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão persistente e teimosa.”

Esse carácter ilusório do tempo foi intuito por Einstein ao perceber que não podemos conceber o espaço sem tempo, nem vice versa. Um está atrelado ao outro. E se temos mais de um, teremos menos de outro. Isso porque existe uma conexão oculta entre o espaço e o tempo. Essa foi a grande descoberta de Einstein: O movimento pelo espaço afeta a passagem do tempo. O tempo em si corre mais devagar para a pessoa que está se movimentando. Mas porque não percebemos isto no dia-à-dia? A resposta é simples; com as baixas velocidades que nos locomovemos no planeta Terra, o impacto do movimento no tempo é tão pequeno que se torna imperceptível.

A teoria foi comprovada através de inúmeros experimentos com relógios de alta precisão posicionados em terra firme e outro em aeronaves de alta velocidade. O resultado é desconcertante. A diferença entre os relógios era de apenas bilionésios de segundo, mas era uma prova real de que o deslocamento de um objeto em alta velocidade afeta o tempo.

Com isso, a física unificou a ideia de tempo e a ideia de espaço em um único conceito chamado “espaço-tempo” numa estrutura quadrimendisional. 

adult aircraft airplane business
Foto por Tim Gouw em Pexels.com

O conceito unificado de “espaço-tempo” tem implicações também como concebemos o tempo de forma linear, o que o senso comum chama de linearidade do tempo.Segundo as teorias da física quântica, a noção linear que temos de passado, presente e futuro pode ser simplesmente uma percepção da nossa mente.

Nós percebemos o tempo como um fluxo de um rio que corre apenas numa direção, o futuro. Mas, e se pensarmos no tempo como uma sequência de eventos, uma sequência de momentos como fotografias enfileiradas uma depois da outra? Momento após momento, como os frames de um filme ou os quadrinhos de um gibi? E cada momento, cada evento isolado seria uma fotografia estática, uma “fatia no tempo”. Cada fatia seria, portanto, o agora. Então, suponhamos que o tempo seria uma sequência de “fatias de agora.

tempo_espaço_quanto_mais_reiki_melhor7

Vamos mais além! Vamos imaginar o tempo como uma bisnaga de pão. E se existem várias maneiras de cortar as fatias de um pão, porque não supor que existam várias maneiras de fatiar o espaço-tempo? Einstein mostrou que se o movimento afeta na percepção da passagem do tempo, uma pessoa que se movimentasse fatiaria o mesmo pão diferentemente de uma pessoa parada. As fatias estariam em ângulos diferentes. “A pessoa que está se movendo vai inclinar a faca e cortar as “fatias de agora” em diferentes ângulos, elas não serão paralelas às minhas fatias de tempo”.

tempo_espaço_quanto_mais_reiki_melhor3

 

Nada melhor do que a criatividade do físico Brian Greene para expor as bizarrices de um conceito unificado entre espaço e tempo:

“Imagine um alienígena em uma galáxia há 10 bilhões de luz da Terra e aqui, no nosso planeta, um homem num posto de gasolina. Agora, se o dois estão parados sem se mover, um em relação ao outro, os ponteiros de seus relógios giram no mesmo ritmo e eles dividem a mesma “fatia de agora”. E ambos cortam o pão em ângulo reto.

tempo_espaço_quanto_mais_reiki_melhor2

Mas veja o que acontece se o alienígena subir numa bicicleta e andar na direção contrária à Terra. Como o movimento desacelera a passagem do tempo, seus relógios não estão mais no mesmo ritmo. E se os relógios não conscidem mais, as “fatias de agora”também não. A “fatia de agora” do alienígena vai cortar o pão num ângulo diferente em direção ao passado.”

tempo_espaço_quanto_mais_reiki_melhor5

“Como o alienígena está andando de bicicleta em ritmo de passeio, sua fatia está num ângulo minúsculo em direção ao passado. Mas em uma distância tão grande, este ângulo resulta em uma enorme diferença no tempo. Sendo assim, o que o alienígena encontraria na sua “fatia de agora”, ou seja, o que ele consideraria estar acontecendo agora no planeta Terra não incluiria mais o homem no posto de gasolina, nem sequer, o mesmo homem, criança, 40 anos atrás. Supreendentemente, a “fatia de agora” do alienígena teria voltado 200 anos na história da Terra e agora incluiria uma parte do passado que consideramos distante como, por exemplo; Bethoven terminando a Quinta Sinfonia.

tempo_espaço_quanto_mais_reiki_melhor1

“E se isso não fosse estranho o bastante, a direção na qual você se move também faz diferença. Veja o que acontece quando o alienígena vira a bicicleta em direção a Terra. A “fatia de Agora” dele está num ângulo em direção ao futuro. E isso inclui eventos que não acontecerão na Terra em menos de 200 anos. Talvez a tataraneta do homem do posto de gasolina estaria se teletransportando de Paris à Nova York.

tempo_espaço_quanto_mais_reiki_melhor6

Uma vez que sabemos que seu “agora” pode ser o que eu considero o passado, ou que seu “agora” pode ser o que eu considero o futuro, e o seu “agora” é tão real quanto o meu. Entendemos, então, que o passado tem de ser real, o futuro tem de ser real, eles podem ser o seu “agora”. Isso significa que passado, presente, futuro são igualmente reais. Todos existem.”

Dentro da concepção da física quântica, o passado nunca se foi, e o futuro não é algo inexistente. O passado, presente e futuro coexistem e pensar que o tempo é algo linear e separado do espaço, é uma ilusão. Tempo e espaço estão juntos, são inseparáveis, são uma coisa só e estão absolutamente conectados. E a esse conceito chamamos de espaço-tempo.

É claro que nossa percepção é limitada por estarmos presos em corpos dentro de um espaço, num determinado tempo. Isso tudo dificulta nossa experiência de vivermos livres do tempo e do espaço. Só em falar do assunto nos constrange e confunde. Melhor seria permanecer no âmbito poético do filme de Win Wenders e nos permitir de uma vez por todas que o tempo é, de fato, atemporal e você é o relógio.

Wankdorf

Fontes:

Viagem no Tempo – a mente além do ontem, hoje e amanhã – Fred Alan Wolf PH.D

Eureka! Um livro sobre idéias – Michel Macrone

A dança do Universo – Dos mitos de criação ao Big Bang – Marcelo Gleiser

Além do Cosmos – Brian Greene – Discovery Channel

Dicas de Reiki, Expansão da Consciência, Terapia Reiki

O que é ser um Mestre de Reiki?

A definição de um Mestre de Reiki é qualquer pessoa que recebeu as sintonizações de Mestre e o símbolo do Mestre e que entende claramente como fazer todas as sintonizações. Para ser considerado um Mestre, é necessário ensinar Reiki a pelo menos uma pessoa. Todos aqueles que receberam o treinamento de Mestre, mas nunca ensinaram, são considerados Mestres de Reiki Praticantes até que eles comecem a ensinar.

Reiki é uma prática sagrada que requer reverência e grande respeito se quisermos experimentar todo o seu valor. Os benefícios do Reiki são abrangentes, não somente nos dando a habilidade de curarmos, o que para nós é absolutamente magnifico, mas também trazendo orientações para as nossas vidas.

O Treinamento de Mestre é um passo sério:

  • requer uma definitiva preparação
  • a prática é absolutamente necessária
  • a experiência com a energia e com os simbolos é fundamental
  • é necessário meditar sobre os propósitos da vida
  • é necessário estudar sempre

Para torna-se um Mestre, é fundamental:

  • habilidade para sintonizar outras pessoas
  • encontrar tempo para que seus alunos aprendam
  • assegurar-se que eles praticaram as sintonizações
  • não se importar se seu aluno for melhor do que você; seja grato por isso
  • praticar as meditações, estudar, anotar, para melhorar sua aula sempre
  • tratar os alunos com respeito e gratidão
  • nunca usar meios que tornem seus alunos dependentes de você
  • estimular seus alunos a se conectaram com seu próprio poder e livre-arbítrio
  • enriqueça pessoas, pois assim você enriquece
  • ser um bom exemplo e um representante autentico da energia Reiki
  • desenvolver e expressar qualidades como compaixão, amor, sabedoria, justiça, cooperação, humildade, persistência, bondade, coragem, força e abundância.

O Reiki é tudo isso e mais!


Texto de Swami Paatra Shankara

O que são Chakras?

Chakras secundários

Embora o título sugira uma função subordinada, os Chakras secundários são tão importantes quanto os Chakras principais. A única diferença é que eles não estão apenas alinhados ao longo da cabeça ou da coluna vertebral, mas também são encontrados em diferentes pontos do nosso corpo e da nossa Aura. Além disso, existem Chakras que agem cerca de 20 cemtímetros acima da cabeça e abaixo dos pés, nas camadas da aura externa, cerca de 20 centímetros abaixo do chão.

Há um número indeterminado de Chakras secundários no corpo humano. A literatura Hindu enumera cerca de 88 mil Chakras ao todo. Só nas palmas das mãos temos cerca de 35 em cada.

Os Chakras secundários dependem dos Chakras principais, o mesmo é dizer que se um Chacra principal estiver desequilibrado, os seus Chacras secundários correspondentes também estarão em desequilíbrio.

É importante ressaltar que tantos os Chakras principais como os Chakras secundários regulam o fluxo de energia responsável para manter o equilíbrio entre o espírito e o corpo físico de um indivíduo.

Portanto, para se manter saudável em todos os níveis, ou seja, no nível físico, mental, emocional e espiritual, todos os Chakras tem que estar bem harmonizados.

A seguir, alguns dos Chakras secundários mais importantes na terapia Reiki.


Os Chakras das Mãos

Os centros de energia das mãos estão conectados ao Chakra do coração. São pontos de entrada e saída de energia. Estão localizados principalmente nas extremidades do dedo e nas palmas das mãos.

Os Chakras dos Cotovelos

Os cotovelos têm a ver com a nossa capacidade de relacionamento e mobilidade. Estes centros de energia se bem harmonizados são capazes de impor limites e de nos defender. Está muito relacionado ao engajamento perante a vida.

Os Chakras dos Joelhos

Estes pequenos Chakras tem como função transformar ou regular a quantidade de energia que deve entrar no corpo. Ele lida com o aprendizado e os ensinamentos. Uma das suas características marcantes é a flexibilidade em lidar com grandes quantidades de energia.

Os Chakras dos Tornozelos

Os Chakras dos tornozelos ajudam a nos manter flexíveis e maleáveis durante as mudanças na vida.  Ele também atuam na capacidade de sermos versáteis nas formas de como ganhar o nosso sustento.

Os Chakras das Solas dos Pés

Estão relacionados ao aterramento, às questões terrenas, ao planeta Terra. Ele promove o apoio para que você possa se levantar e viver os seus propósitos na vida. É comum não darmos tanto valor ou atenção para nossos pés, mas são eles que nos dão o suporte que precisamos, que nos carregam e nos movimentam. Os Chakras dos pés promovem nossa estabilidade em geral.

 

Quanto mais Reiki melhor
Dicas de Reiki

5 passos para você fazer sua caixinha Reiki

5 passos para você fazer sua caixinha Reiki

A caixinha Reiki é uma excelente técnica para aplicar Reiki a distância. Existe também a técnica do caderno, mas eu particularmente gosto mais da caixinha Reiki.

Nela colocamos os nomes das pessoas que desejam receber a energia vital a distância. Quanto mais informações tivermos sobre a pessoa, melhor. Como por exemplo, nome completo, data de nascimento e a razão pela qual ela necessita uma aplicação de Reiki.

A seguir, os 5 passos para você fazer a sua caixinha Reiki:

  1. Escolha uma caixa de papelão ou madeira de sua preferência.
  1. Desenhe os 3 seguintes símbolos em 2 folhas de papel; “Cho Ku Rei”, “Hon Sha Ze Sho Nen” e “Sei Heiki”, cada qual com o seu respectivo mantra três vezes.
  1. Uma folha, com os três símbolos, será colada no fundo da caixa, outra folha, também com os 3 símbolos será colada na tampa.
  1. Coloque o nome completo e data de nascimento das pessoas que desejam receber o Reiki (fotos, objetos pessoais ou mesmo o motivo da aplicação podem ser opcionais).
  1. Feche a caixa e desenhe mentalmente o “Cho Ku Rei” na tampa. Em seguida, ative os símbolos e permaneça com a mão por 5 minutos enviando a energia vital.

É bom lembrar que para fazer a técnica de aplicação de Reiki a distância, você precisa ter concluído o nível 2 de Reiki.

caixinha_reiki

Aqueles que se tornam terapeutas holísticos não o fazem pela insistência alheia, mas por um arrebatamento de amor divino.