Depressão ou Tristeza?

Quando o auto julgamento se transforma em doença?

Photo by Samuel Silitonga on Pexels.com

Olá queridos seres infinitos,

Hoje quero falar com vocês sobre a depressão.

Uma em cada 05 pessoas já sofreram ou sofrem disso. Mesmo sendo algo já muito falado, ainda existe muito pré conceito e desinformação.

Alguns anos atrás, já estive nesse lugar. havia terminado uma faculdade de 05 anos, fazia estágio e trabalhava ao mesmo tempo, não folguei durante 2 anos, sofri abuso moral e psicológico por parte de um chefe, problemas financeiros e minha mãe com depressão profunda. Procurei ajuda de médica e psicológica.

Entenda, a depressão não veio com um acontecimento, mas foi a forma em que lidei com aquela porcaria toda. Isso explica, como duas pessoas podem reagir totalmente diferente na mesma situação! Como o seu mental vai processar tudo isso? Quais as crenças você está trazendo para sua realidade para justificar, entender ou explicar algum acontecimento?

Importante dizer que o médico, vai tratar o sintoma com medicamentos e assim oferecer alívio para você continuar em seu cotidiano e a terapia vai te oferecer ferramentas para você mudar suas crenças, para o seu auto conhecimento, para você resignificar (dar outro significado) etc. Por isso a importância desses tratamentos serem feitos em conjunto.

Apenas remédios não vão curar a depressão!

Procurar ajuda, se disponibilizar a mudança, se permitir sair do trauma e drama na qual fomos ensindados a esolher, é algo muito corajoso! Uma vez que a sociedade nos ensina que precisamos ser fortes. Tenho muita admiração por todos os pacientes e alunos que já tive ao escolherem mudar suas vidas!

Depressão e tristeza são coisas diferentes. A depressão é um estado emocional com sentimentos prolongados de tristeza, culpa, fracasso, desesperança, inutilidade, perda ou aumento do apetite, muito ou pouco sono, dores pelo corpo. Alteração nos sentidos: A vida é cinza….Comida sem sabor…sentimentos anestesiados…

Se a causa da depressão não é um acontecimento em específico, mas a forma como lidamos com eventos seja do dia a dia, uma expectativa que não se realizou, mudanças, traumas etc. Como estão as suas crenças com relação a tudo isso? Como estão seus jugamentos? Sinto-me uma fraude?

E se hoje puder ser o começo para uma vida com menos auto crítica e julgamentos e mais aceitação? Menos resistência e mais permissão?

Uma ferramenta maravilhosa que ensinamos no Curso Barras de Access ® e você pode começar a fazer agora mesmo, se chama: A QUEM PERTENCE ISSO? A quem pertence isso? A quem pertence isso? Passe alguns dias perguntado isso. Se ficar mais leve dentro de você diga: Devolvo ao remente com consciência anexado.

Essa ferramenta é simples e traz consciência pois as crenças que temos, os julgamentos, pontos de vista na grande maioria das vezes de fato, não são nossos! Tudo isso é a forma com que aprendemos a lidar com a vida. Aprendemos isso com nossos pais, na escola etc. E o quanto ainda insistimos em usar isso para justificar uma vida que não está mais funcionando?

Como psicóloga entendo que a depressão é algo sério e tem tirado a vida e destruído pessoas e famílias. Mas tem tratamento! Procure um profissional o quanto antes! ou mesmo que não tenha depressão mas queira melhorar ainda mais sua vida.

Mesmo que você viva em outro país existe a possibilidade de fazer isso online também em seu idioma!

Todo ser humano nesse Planeta deveria fazer algum tipo de terapia.

Pratique diariamente a gratidão, seja para você mesmo a bondade que espera do Mundo! Não isole, esteja com pessoas que elevam, tome sol, use roupas coloridas.

Se isso foi importânte para você, compartilhe para seus amigos.

Um grande abraço com luz e cor!

Anna Brandão

Psicóloga e facilitadora de Barras de Access ®

Cultivando a Resiliência em 07 passos.

Resiliência: Capacidade essencial para a Saúde Mental e Emocional.

Olá queridos Seres Infinitos!

Há algum tempo quero falar com vocês sobre esse tema maravilhoso, FUNDAMENTAL para os seres humanos e sobretudo para nós imigrantes, não podemos esquecer jamais dessa capacidade.

Essa palavra tem sido usada frequentemente a algum tempo. Mas você se considera uma pessoa resiliente? Você sabe como “cultivar” essa qualidade?

Segundo o dicionário, resiliência é a propriedade que alguns corpos apresentam de retornar a forma original após terem sido submetidos a uma deformação elástica.

Capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar a má sorte ou às mudanças.

Sabemos que morar em outro país é uma experiência que pode nos levar as situações de extrema mudanças: Cultural, climática, idioma, estar longe da família e uma série de eventos desafiadores.

Claro que quando saímos de nosso país, possuímos muitas expectativas, esperanças que tenhamos no mínimo uma vida melhor e mais abundante em vários sentidos. São muitos fatores e precisamos nos ajustar e reajustar muitas e muitas vezes. Ter flexibilidade, resistência e muita criatividade (característica que nós brasileiros fomos realmente abençoados).

A resiliência é uma qualidade essencial para nossa saúde mental: Como você fica quando toma os solavancos da vida? Como você fica após sair de um furacão de situações?

O ensinamento do bambu é fantástico para ilustrarmos isso: Apesar de sua simplicidade ele é resistente, enverga de um lado a outro e nunca quebra, sempre voltando ao seu estado original, embora a sua aparência possa parecer frágil, está sempre em comunidade. Até mesmo no inverno, o bambo pode ficar envergado meses com o peso da neve, mas na chegada da primavera a neve se derrete e ele volta ao seu estado original, como se nada tivesse acontecido.

Vou trazer agora 06 dicas para que possamos trabalhar a nossa resiliência e com isso nossa saúde mental e emocional:

  1. Não se isolar: Lembre-se que o bambu vive em grupo. A tendência de muitas pessoas é se isolar quando se mudam de país, isso não é uma boa ideia. Busque estar com outras pessoas que sejam POSITIVAS, participar de uma atividade em grupo, mesmo que essas pessoas sejam de outra nacionalidade.
  2. Se alimentar de alimentos frescos e oriundos do local em que vive atualmente: Alimentos frescos estão cheio de energia vital (energia de vida), e o alimento local fará com que você se sinta parte de desse lugar. Isso pode ser até mesmo um legume especial ou uma fruta. A primeira vez que consegui cozinhar os aspargos brancos da Região da Alsácia, me senti bem em estar de uma certa forma participando da cultura e contribuindo com os produtores locais.
  3. Fazer exercícios regulares: Fazer exercícios fará você liberar o hormônio Serotonina fazendo com que fique mais resistente a depressão e ao desânimo.
  4. Fazer planos a pequeno prazo e comemorar os pequenos resultados: Não seja tão duro e tão perfeccionista consigo mesmo. Temos um hábito terrível de exigir demais de nós mesmos. Sim! Merecemos comemorar todos os dias, cada pequena vitória, mesmo que aos seus olhos não seja grande coisa. Ver o resultado de pequenos planos vai melhorar a sua autoestima e assim estará mais forte para maiores desafios.
  5. Tomar Sol: O Sol é o nosso gerador de energia vital. Sabemos que na Europa os dias de sol são reduzidos. Mas a cada pequena oportunidade de sol aproveite. Assim ficará mais resistente a várias doenças inclusive a depressão.
  6. Esteja em contato com a natureza: A natureza não nos julga! Já percebeu o quanto nos sentimos acolhidos e em paz quando ficamos por algum tempo dentro de uma floresta. O quanto nos sentimos de “alma lavada” quando tomamos um banho de mar ou rio? Estar nesse ambiente, restabele nossa energia vital, nos recarrega para os desafios. Mesmo que você more em uma grande cidade, experimente uma caminhada e colocar seus pés sob a terra.
  7. Cuide de sua saúde mental: Faça terapia! Atualmente existem muitas opções maravilhosas de técnicas. Se preferir fazer isso em seu idioma natal, muitos profissionais atendem online. É muito importante ter um suporte, alguém qualificado para lhe ajudar a Ressignificar as questões e problemas do dia a dia. Esse cuidado vai fazer total diferença em sua vida.

Espero que esse pequeno texto tenha sido útil. E você, o que faz para se manter resiliente?

Um grande abraço!

Foto por Andre Furtado em Pexels.com