O Corpo Energético

As glândulas endócrinas

As glândulas endócrinas são responsáveis pela produção de hormônios, ou seja, substâncias químicas que regulam várias funções do corpo humano. Conheça um pouco das funções de cada uma e o seu Chakra correspondente:

Glândula Pineal – ou epífise neural, é uma glândula de tamanho pequeno localizada na parte central do cérebro humano. Tem como função secretar a melatonina, hormônio responsável pela regulação dos ritmos do corpo (ciclos circadiano), relógio biológico e o sono. O seu Chakra correspondente é o 7° Chackra – Coronário (do sânscrito: “Sahasrara – O lótus das mil pétalas)

Hipófise – conhecida como glândula pituitária localiza-se abaixo do hipotálamo, na base do crânio. É dividida em duas partes: Hipófise Anterior e Hipófise Posterior. Os hormônios da Hipófise desempenham um papel fundamental no controle das funções metabólicas por todo o corpo. Como por exemplo, a multiplicação das células, o metabolismo da glicose, das proteínas e das gorduras. Controla ainda a excreção de água na urina e promove o desenvolvimento da glândula mamaria e a produção de leite. Além de tantas outra funções, o hipotálamo ainda controla o ciclo sono-vigília e o apetite. O Chakra correspondente é o 6° Chackra – Frontal (do sânscrito: “Anja” – Centro de comando).

Glândula Tireóide  sua principal função é a regulação do metabolismo corporal. Ela é localizada na parte anterior do pescoço. Tem função importante no crescimento e desenvolvimento influindo, inclusive, no ciclo menstrual e na fertilidade. O Chakra correspondente é o 5° Chakra – Laríngeo (do sânscrito: Vishudda – O purificador).

Timo –  palavra derivada do grego e significa “energia vital”. Localizado na parte superior do tórax é um grande centro responsável pelo sistema imunitário, em recém-nascidos e crianças é bem desenvolvido. O Chakra correspondente é o 4° Chakra – Cardíaco (do sânscrito: Anahata – Invicto)

Pâncreas – Glândula localizada do lado esquerdo do abdômen, entre a coluna vertebral e o estômago. O pâncreas desenvolve hormônios como: a insulina e o glucagon. O primeiro é incumbido de reduzir a concentração de açúcar no sangue. O Chakra correspondente é o 3° Chakra – Umbilical ou Plexo Solar (do sânscrito: Manipura – Cidade das jóias).

Gônadas – Age no sistema urinário e reprodutor: as gônadas são os testículos e os ovários, responsáveis  pelos hormonios masculinos e femininos envolvendo reprodução e ciclo da maturidade. O Chakra correspondente é o 2° Chackra – Sacro (do sânscrito: “Svadhisthana – Morada do prazer)

Glândulas suprarrenais –  situam-se acima dos rins e produzem a adrenalina, hormônio que prepara o corpo para a ação. Os efeitos da adrenalina no organismo são: Taquicardia: o coração dispara e impulsiona mais sangue para as pernas e braços, aumentando a capacidade de correr ou de se exaltar em situações tensas; Aumento da frequência respiratória e da taxa de glicose no sangue, liberando mais energia para as células; Contração dos vasos sanguíneos da pele, de modo que o organismo envia mais sangue para os músculos esqueléticos e, por isso, ficamos “pálidos de susto” e também “gelados de medo”. O Chakra correspondente é o 1° Chackra – Raíz ou Básico  (do sânscrito: Muladhara – Base de apoio).

glândulas_endócrinas_quanto_mais_reiki_melhor

O Corpo Energético, O que são Chakras?

O corpo energético

backlit beach dawn dusk
Photo by Cedric Lim on Pexels.com

Os primeiros manuscritos sobre cura energética remontam a mais de cinco mil anos. E apareceram pela primeira vez na Índia nas escrituras hindus, conhecidas por Upanishads. Existem também referêcias sobre o assunto nos textos originais dedicados a medicina tradicional chinesa, escritos na mesma época.

Diferentes culturas ancestrais concebem um sistema de cura baseado em um fluxo de energia, que é o fundamento de toda a vida, proveniente de uma energia maior, uma energia vital ou universal. No Japão, esta energia vital corresponde à palavra Ki (de onde oriunda a palavra Reiki), na China, é conhecida como “Chi”, os hindus a chamam de “Prana” e os cristãos a ela se referem como o “Espírito Santo”.

Além da energia vital ou universal concebida pelos diversos sistemas de cura, é também proferido o conceito de que nosso corpo humano é permeado por uma energia sutil. Para essa energia subjacente no corpo humano, existem diversas designações, como por exemplo, corpo astral, corpo etérico, campo áurico, corpo sutil, corpo espiritual, e tantos outros exemplos.

De como essa energia sutil é descrita ou localizada, existem muitas semelhanças e divergências. A quantidade de corpos energéticos que permeiam o corpo físico também não é unânime. Há culturas que afirmam que são sete, outras afirmam que são nove, outras vão mais além. Enfim, não há um acordo quanto a isso. Mas, o fato é que conhecemos e sobretudo sentimos os efeitos desta energia sutil no nosso próprio corpo.

De culturas milenares, dois sistemas de cura energética se destacaram e ambos vêem do Oriente; os sistemas de cura da China e da Índia. É importante notar que existem relatos sobre cura energética dos povos incas, dos egípcios, dos índios Cherokee, do Tibete, e de tantos outros, mas por enquanto, vamos apenas nos dedicar a alguns dos conceitos dos sistemas de cura da medicina tradicional da Índia, Ayurveda.

Clique AQUI para saber o que são Chakras & Nadis


Fontes:
Les Chakras – L’anatomie occulte de l’homme – Coquet

Der Energiekörper des Menschen – Handbuch der feinstofflichen Anatomie – Cyndi Dale

Energie Heilung – Die Kräfte des Energiekörpers wahrnehmen, harmonisieren, nutzen – Ann Marie Chiasson

Chakra Selbsterapie in sieben Stufen – Jean Pierre Crittin

O Corpo Energético

Nadis, os condutores de energia

A palavra “Nadi” vem do sanscrito e significa canaleta, córrego ou fluxo. Os Nadis são como linhas de força que percorrem o corpo energético como se fossem milhares de filamentos espalhados em todas as direções. Esses filamentos são por onde circula no corpo humano a energia vital, conhecida pelos indianos como “Prana”. A literatura Hindu afirma que cada um de nós dispõe de aproximadamente 72 mil filamentos entrelaçados entre si e que se relacionam diretamente com os chakras, os centros de energia do corpo físico. Portanto, Nadis são condutores de energia.

Frequentemente, os Nadis são comparados aos sistemas de meridianos da medicina tradicional chinesa. Ambos os sistemas são condutores de energia e interagem com os centros de energia do corpo físico. Através do sistema de meridianos chineses desenvolveu-se terapias muito difundidas até os dias de hoje, como por exemplo, o Tui Na, o Do in e a Acumpuntura.

Os Nadis principais são três: Ida, Pingala e Sushumna. O Nadi que percorre o lado esquerdo é o Ida, o do lado direito é o Pingala. Ambos não correm em paralelo, e sim, entrelaçam-se em forma de serpente. No centro, ao longo da coluna vertebral corre o canal principal, o Sushumna que desemboca no chakra frontal. Dentro do canal principal, o Sushumna, correm ainda três outros nadis; o Vajna, o Chitrini, dentro do qual se encontra o Brahma nadi, responsável pela a energia Kundalini, a energia que transita entre os chakras.

Segundo Coquet em seu livro, “Les Chakras – L’anatomie occulte de l’homme”, cada Nadi tem uma natureza quíntupla e compreende cinco fibras de energia estreitamente ligadas entre si. É justamente através destas cinco fibras que correm os Cinco Pranas maiores, vitalizando assim todo o organismo humano. Não existe uma só parte do corpo que não seja irrigada pelos Nadis.


A seguir as cinco diferenciações do Prana, também denominadas Vayus ou Pranavauyus.

Prana: É denominado como sendo o “Sopro de vida”, a força vital, o básico da vida. Ela está no ar, flui por nossas narinas, preenche nossa cabeça, nosso coração, os pulmões e a garganta. O Prana está em tudo. Cada vez que inspiramos absorvemos Prana e, a cada expiração o distribruímos pelos vários órgãos do corpo sutil. O Prana pessoal é nossa porção cósmica, nossos cinco sentidos, nossa evolução espiritual.

Udana: Está situado entre a garganta e a parte superior do crânio, relaciona-se com o cérebro, os olhos e o nariz. Udana controla nossa expiração e nossa fala. Quando morremos, Udana carrega nossa consciência para o alto, fora do corpo.

Samana: Situa-se na área do umbigo e do intestino delgado. Samana digere, assimila e aquece o alimento e toda energia que adentra o nosso corpo. Ela faz o mesmo com as imprensões, os pensamentos e as ideias.

Apana: Situa-se no intestino grosso. Apana atua desde o plexo solar até a planta do pé e age sobre os orgãos de eliminação, de dejeção e de geração. Seu poder está fortemente unido aos orgãos geradores e eliminadores. Controla a atividade sexual, a menstruação, a urina e a excreção. Apana exerce um papel fundamental na abertura do Brahma Nadi e na elevação da Kundalini.

Vyana: Corresponde à soma total das energias prânicas tal como é repartida através de todo o corpo por intermédio de milhares de nadis. Situa-se por todo o corpo. É responsável pela circulação sanguínia, o sistema linfágico e o sistema nervoso. Tem o papel de transportar a energia atráves dos Nadis para toda a periferia do corpo sutil.

O Corpo Energético

O que é Aura?

A Aura é um campo de energia que envolve todos os seres vivos. Não só os seres humanos têm uma Aura, mas também plantas e animais. Pode-se imaginar este campo energético envolto ao corpo humano como uma nuvem colorida em formato oval.

A Aura emite diversas tonalidades de cores referentes ao nosso estado emocional. Segundo as tonalidades da Aura, pode-se concluir se alguém é mais extrovertido ou introvertido, por exemplo. A Aura pode dizer muito do estado de ânimo, da saúde, da personalidade ou mesmo, das aptidões de uma pessoa.

Cores da Aura
A seguir, uma visão geral do significado das cores da Aura:

Vermelho escuro: físico, trabalhador, realista, fisicamente ativo, fundamentado, força de atividade, sobrevivência, vitalidade, força, perseverança, inventor, explorador.
Vermelho: energético, físico, sexual, combativo, atinge objetivos, coragem, atividade, entusiasmo, força de vontade, vencedor, poder, empreendedor, promotor bem sucedido.

Laranja: produtivo, positivo, orientado para a ação, alegria, prazer, desafio, emoção, aventura, excitação, expressão criativa, sentido comercial.

Amarelo escuro: analítico, intelectual, detalhado, lógico, honesto, confiável, exato em pensar bom senso comercial, estrutura, segurança, ciência, perfeccionismo.

Amarelo: brincalhão, criativo, inteligente, charmoso, macio, generoso, leva a vida levemente, irradia calor e otimismo, dá alegria, precisa de movimento, animador.

Verde: social, comunicativo, sociável tipo, perfeito / r host, natureza amorosa, viajando, harmonioso, bom professor.

Verde escuro: orientado a objetivos, comunicativo, material, percepção rápida, ama luxo, personalidade executiva, responsável, organizador, planejador ambicioso.

Azul: carinhoso, sensível, amoroso, útil, fraterno, leal, educador, o desejo de ser útil, ajudar os outros e apoiá-los, compaixão, ajudantes.

Azul índigo: introvertido, silencioso, artístico, tem profundos sentimentos internos, clareza, amor, buscador, busca por maior verdade, autenticidade, sentido pronunciado de valores internos.

Violeta: intuitivo, artístico, idealista, mágico, sensual, futurista, visionário, carismático, teórico, aberto a novas possibilidades, inventor inovador.

Magenta: místico, artístico, suave, criativo, frágil, sensível, ético, vive em sua própria imaginação, sonhador.

Branca: não físico, espiritual, claro, cura, calma, iluminado, transcendente, sensível, vivendo em uma dimensão diferente, transformação, poder espiritual.


Fonte: http://www.aurafotos.de/​

Clique AQUI e conheça as 7 camadas da Aura

 

O Corpo Energético, O que são Chakras?

Chakras & Nadis

A palavra Chakra vêm do sânscrito e quer dizer “roda”, “vórtice”. Desde a noite dos tempos, a tradição filosófico-religiosa indiana transmite oralmente os ensinamentos sobre os centros de energia do corpo humano. Aproximadamente, mil anos antes da era cristã os relatos foram definitivamente inseridos nos manuscritos Yoga-Upanishad, Yoga-Kundalini Upanishad e Chadyoga Upanishad.
O curioso é que similarmente encontramos relatos sobre os Chakras em outras culturas milenares, como o povo tibetano, os incas e os índios da América do Norte. Mas foi a partir da Índia que os Chakras se difundiram, influênciaram a medicina tradicional chinesa, e por fim chegaram ao Ocidente.

Estes poderosos centros de energia, chamados Chakras, são “alimentados” pelos Nadis, as canaletas por onde flui a energia universal. Portanto, os Nadis são os condutores responsáveis pelo deslocamento da energia sutil no corpo humano. Eles têm o papel de estabelecer o equilbrio energético dos Chakras, que por sua vez controlam as funções físicas vitais.

 

Clique AQUI para saber mais sobre os Nadis